segunda-feira, 19 de outubro de 2015

NENHUM DEPUTADO DO RN ASSINOU A REPRESENTAÇÃO PEDINDO A CASSAÇÃO DE EDUARDO CUNHA

A bancada do Psol na Câmara dos Deputados, que tinha conseguido a adesão de 45 parlamentares na representação protocolada na tarde da última terça-feira no Conselho de Ética da Casa, informou no início da noite que já tem 50 assinaturas. O documento pede a cassação do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra de decoro parlamentar.
Nenhum dos deputados do Rio Grande do Norte assinou a representação pedindo a cassação de Eduardo Cunha.
20151015094331458745a
.
Recentemente, o Ministério Público da Suíça enviou à Justiça brasileira provas de que o peemedebista tem contas secretas naquele país. Cunha já havia sido denunciado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF) por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no âmbito das investigações da operação Lava-Jato.
O presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), encaminhou nesta quarta-feira o pedido à Mesa Diretora, que terá três sessões deliberativas para protocolar, numerar o processo e devolvê-lo ao colegiado.
Em seguida, serão sorteados três nomes entre os integrantes do colegiado, excluindo aqueles que sejam do mesmo estado ou partido do Cunha (Rio de Janeiro e PMDB, respectivamente), para que o presidente do conselho escolha o relator. A lista tríplice também não pode ser composta por deputados filiados ao PSOL e à Rede, autores da representação.
Ao relator competirá elaborar um parecer preliminar, em até dez dias, sobre se o processo deve ser aberto ou não.
Reação
O presidente Eduardo Cunha disse que está tranquilo em relação ao pedido do Psol e da Rede: “Como eu me sinto? Quando houve a instauração do inquérito, o Psol pediu o meu afastamento. Quando houve o depoimento de delator, o Psol o pediu meu afastamento. Quando houve pedido de denúncia, o Psol pediu o meu afastamento, então por que não pediria agora? Isso é política, são meus adversários políticos, é normal. Tenho absoluta tranquilidade e farei a defesa que tiver de fazer”.
Cunha já afirmou ser inocente e ressaltou não ter cometido nenhuma irregularidade. Ele disse que foi escolhido para ser investigado como parte de uma tentativa do governo de calar e retaliar a sua atuação política.O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atribuiu a representação apresentada pelo PSOL e pela Rede no Conselho de Ética por suposta quebra de decoro parlamentar a um “jogo político”. Cunha disse estar “absolutamente tranquilo” e acrescentou que os deputados que pedem o seu afastamento da presidência da Casa ainda terão que “me aturar um pouquinho mais”.
Fonte: Diário de Pernambuco
Matéria extraída do blog O POTIGUAR
Postar um comentário