SPIDER

sábado, 26 de dezembro de 2015

''Tive uma segunda chance'', diz turista atacado por tubarão em Noronha

Márcio Palma disse que só percebeu se tratar de um ataque quando foi puxado para o fundo do mar / Foto: Diego Nigro/JC Imagem"Tive uma segunda chance", disse o turista paranaense Márcio de Castro Palma da Silva, 32 anos, em coletiva de imprensa, na tarde desta quarta-feira (23), sobre o incidente com tubarão que terminou com a perda do seu antebraço, durante mergulho em Fernando de Noronha. O ataque ocorreu na última segunda-feira (21), quando o contador, morador do município de Loanda, no extremo-noroeste do Paraná, foi mordido pelo animal na praia do Sueste (veja a entrevista abaixo).
Apesar da fatalidade, Márcio disse acreditar ter sido vítima de um fato isolado e que voltaria ao arquipélago pernambucano. "Indicaria a viagem aos meus amigos", contou. Márcio agora passa por um tratamento com antibióticos que deve durar entre 7 a 10 dias, devido ao risco de infecção. Depois deve passar por uma nova cirurgia. Após isso, segundo André Akel, diretor adjunto do hospital Unimed, o contador deve passar de três a quatro dias de recuperação. A coletiva ocorre no hospital particular em que a vítima está internada, na área central do Recife.
Mais cedo o turista havia informado que no momento do incidente flutuava na praia a cerca de 150 metros da areia quando foi surpreendido pelo animal. Ele disse ainda que só percebeu se tratar de um ataque quando foi puxado para o fundo do mar, por um tubarão de cerca de 1,5 metro, e que tudo ocorreu em questões de segundos.

ENTENDA O CASO |O turista atacado por um tubarão em Fernando de Noronha foi transferido do Hospital da Restauração para o Hospital Unimed, no final da tarde desta terça (22). A Baía do Sueste, local da ocorrência, permanece interditada à visitação. De acordo com a chefia do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, a medida é preventiva, para se avaliar o que de fato ocorreu e provocou o ataque, não havendo previsão de abertura.
Praia do Sueste, onde ocorreu o ataque, permanece fechada / Foto: JC Imagem
Foto: JC Imagem

O turista perdeu o antebraço direito e foi submetido a uma nova cirurgia traumatológica e vascular, nesta terça. Em entrevista pela manhã, o chefe da unidade de Trauma do HR, Rogério Ehrhardt, informou que o paciente estava estável, consciente e orientado sobre toda a situação desde que chegou de Noronha, em uma UTI aérea.
O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) iniciou a investigação sobre o primeiro ataque registrado na ilha, com auxílio do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit) e pesquisadores. Entre eles, Leonardo Veras, curador do Museu do Tubarão de Noronha, que fez um mergulho investigativo de varrição, nesta terça, junto com a bióloga e fotógrafa Zaira Mateus, além de utilizar um drone para avaliar a área. “Tudo estava normal, com muitos peixes, como sempre. Vamos continuar observando para tentar compreender o que aconteceu”, afirmou. 
Acredita-se que o ataque partiu de um tubarão-tigre. “Eles migram muito, não são comuns em Noronha, mas têm esse comportamento de experimentar comidas estranhas e uma mordida potente”, explicou, comentando que o tema envolve muito o emocional. “Estamos avaliando como minimizar os riscos, se será necessário reduzir o horário de visitação e de o mergulho só ser feito com acompanhamento (o turista estava sem guia). Não podemos nem ser negligentes nem usar um remédio desnecessário, afinal, anormal é nunca ter ocorrido um ataque”.
NÚMEROS - Segundo Clóvis Ramalho, presidente do Cemit, as condições do incidente são diferentes dos outros 60 registrados desde 1992 em Pernambuco (são 24 mortes no período), ano inicial da catalogação, pois a maré estava secando, ao contrário dos demais, ocorridos sempre com maré alta. Igual apenas a água estar turva. O turista estava com a mulher, que não quis falar com a imprensa.

FONTE: JC ONLINE/

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Postar um comentário