domingo, 13 de março de 2016

Carta aberta a presidente Dilma Roussef com sugestões para retomar o crescimento do país!

Meu nome é Damião Carlos Dantas, 43 anos, brasileiro, guia de turismo, Agente de Desenvolvimento e professor particular nas horas vagas. O motivo desta carta é para deixar algumas sugestões a Vossa Excelência. Mesmo não tendo votado na senhora, reconheço que os problemas deste país vão além de um pedido de IMPEACHMENT que fere os princípios da democracia em face ao estado de cleptocracia em que vivemos. Reforçando, são 5.571 municípios brasileiros sofrendo da mesma angústia, crise. O mesmo modus operandi, compra de votos, cabides de empregos, peculato, improbidade, fraudes em licitação desvios e desmandos dentre outros escândalos que povoam às mídias sócias! Vale salientar que não votei na Dilma, não sou militante Petista, apenas é uma visão política e opinião formada!

Para que o país retome o crescimento urge a necessidade de uma reforma radical nos ministérios, desde o governo de Fernando Henrique Cardoso que o número subiu assustadoramente para de 12 para 39 para atender ao PMDB e outros partidos fazendo uma política entre governo, governabilidade e fisiologismo. Entretanto, cortar gastos na Câmara de Deputado e no Senado inchando a máquina administrativa e impedindo o crescimento do país.

Presidente Dilma, onerar o povo brasileiro com mais impostos desestabiliza e puxa o risco país. Por outro lado, urge a necessidade de apontar soluções e acreditar que teremos um país mais forte, rico e promissor quando de fato à corrupção política suprapartidária for combatida. O governo tem suas virtudes e defeitos, o acesso à informação, a construção de IFs (Institutos Federais) e os programas como: Brasil sem fronteira, PROUNI,PRONATEC, FIEIS e apoio aos diversos segmentos trouxe estabilidade econômica. Sem mais delongas, tudo isso que estamos vivendo trata-se de uma crise político-econômica que está com os dias contados, agradeço sua especial atenção.








Carnaúba dos Dantas, 13/03/2016, Damião Carlos. 
Postar um comentário