SPIDER

terça-feira, 17 de maio de 2016

Ministro recua e diz não ser preciso rever tamanho do SUS

Após afirmar que o Estado não tem como assumir todas as garantias previstas na Constituição incluindo o acesso universal à saúde, o novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou nesta terça-feira não ter qualquer intenção de redimensionar o tamanho do Sistema Único de Saúde, voltando atrás de declaração anterior dada ao jornal Folha de S.Paulo.
“Eu não tenho nenhuma pretensão de redimensionar o SUS. O que nós precisamos é capacidade de financiamento para atender suas demandas”, disse o ministro durante encontro de especialistas sobre a situação da malária no país, em Brasília, de acordo com a assessoria de imprensa o Ministério da Saúde.
Ver as imagens
Segundo Barros, que foi nomeado para o cargo na semana passada pelo presidente interino Michel Temer, o que é necessário no momento é capacidade de financiamento para atender as demandas do SUS.
“Só conseguiremos isso, espaço fiscal para a saúde, se nós conseguirmos repactuar os gastos que estão sendo excessivos na Previdência”, disse Barros, que como deputado foi relator do Orçamento de 2016 na Câmara.
A declaração do ministro negando intenção de rever o tamanho do SUS marcou um recuo em relação à afirmação dada em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada nesta terça-feira. Ao jornal, Barros disse que em algum momento o país não conseguirá mais sustentar direitos como o acesso universal à saúde.
“Vamos ter que repactuar, como aconteceu na Grécia, que cortou as aposentadorias, e em outros países que tiveram que repactuar as obrigações do Estado porque ele não tinha mais capacidade de sustentá-las”, disse Barros na entrevista. “Temos que chegar ao ponto do equilíbrio entre o que o Estado tem condições de suprir e o que o cidadão tem direito de receber.”
Foto: Luis Macedo/ Agência Senado/Yahoo Notícias
Postar um comentário