quarta-feira, 8 de junho de 2016

Donos de empresas de ônibus querem passagem por R$3,40

Donos de empresas de ônibus querem passagem por R$3,40
As linhas de ônibus de Natal devem voltar a circular com 100% da frota a partir de hoje. Os empresários de ônibus e rodoviários chegaram a um acordo que concede 10% de reajuste de uma só vez para os trabalhadores. Por sua vez, o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiro de Natal (Seturn) afirma que acentua o “desiquilíbrio financeiro” do sistema de transporte público e pede reajuste da tarifa para R$ 3,40. O ofício solicitando a revisão tarifária já foi entregue, segundo ele, a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU), mas não houve resposta.
Mesmo com o reajuste o preço da passagem de ônibus em janeiro deste ano, o valor continua defasado nas contas do Seturn. “O Seturn vem cobrando o reajuste da tarifa que está defasada em 0,50. Esse reajuste dos salários acentua ainda mais o desiquilíbrio financeiro do sistema. A Prefeitura tem que fazer alguma coisa”, declarou Nilson Queiroga, consultor técnico do Seturn.
Ainda segundo Queiroga as empresas aceitaram a proposta rejeitada na segunda-feira em função dos prejuízos para a sociedade e no faturamento das empresas com a greve. “Não seria possível esperar mais pela decisão da justiça[dissídio coletivo], que talvez demorasse mais uma semana. A sociedade estava tendo prejuízos e as empresas estavam deixando de faturar”, explicou o consultor do sindicato patronal. Inicialmente, o Seturn afirmou que a tarifa atual só suportaria um reajuste nos salários dos trabalhadores de 4,24%.
A proposta acatada por ambas as partes foi proposta pelo mediador da Superintendência Regional do Trabalho ontem. Todos os trabalhadores rodoviários deverão ter um reajuste salarial de 10%. Os motoristas e aqueles que ganham igual ou acima do salário de motorista receberão 10% no vale alimentação. Os cobradores deverão ter o vale alimentação reajuste em 14%, assim como as outras funções que ganham salário igual ou inferior ao de cobrador.
Todas as outras cláusulas da convenção do trabalho anterior foram mantidas. Vale lembrar que a inflação de maio de 2015 a maio de 2016 foi de 9,28% (IPCA). O mês de maio é a data de negociação trabalhista dos rodoviários.
Dia de greve
O acordo trabalhista só foi fechado por volta das 19h de ontem. Antes disso, a população se virou como pode para circular dentro da cidade. Na tentativa de amenizar o impactos da greve no cotidiano de mais de 400 mil pessoas que usam o sistema em Natal, a Prefeitura liberou os ônibus de turismo e vans escolares entrassem nas linhas regulares urbanas. Além disso, as pessoas optaram por caronas e recorreram até ao Veículo Leve sobre Trilho (VLT).
A auxiliar de serviços gerais Auxiliadora Bezerra de Melo, de 58 anos, chegou atrasada no emprego na Rodoviária de Natal. “Era para chegar às 7, mas cheguei de 9”, contou. Ela não pegou o ônibus que geralmente costuma pegar para sair do bairro do Alecrim. “Fui em um de São Gonçalo do Amarante. Eu só sei que dei R$ 3,50 para o motorista”, lembrou. Para voltar para casa, o ASG teve a sorte de ter uma carona. “A população fica cansada com isso. A gente ainda tem que ficar arriscando a vida na parada esse tempo todo”, reclamou.
A pensionista Gizélia Rocha, de 58 anos, foi pega de surpresa. “Quando fui para a parada de manhã, nem sabia que tinha isso. Só Deus sabe como foi que entrei naquele ônibus lotado”, referiu-se ao 39. Mas a surpresa ruim acabou gerando uma experiência interessante no final do dia. Gizélia voltou para casa de VLT. “Eu nunca andei nem de trem”, ressaltou. Ela foi para a Cidade Alta com o sobrinho. O jovem sempre retorna para o bairro de Cidade da Esperança de ônibus, visto que o transporte (R$ 0,50) é mais barato e mais confortável que o ônibus. “O ônibus é muito caro e eles ainda querem aumentar”reclamou.
FONTE TRIBUNA DO NORTE/ Extraída do portal O NATALENSE
Postar um comentário