sábado, 9 de setembro de 2017

Não tenho preocupação com nenhuma delação, Palocci é meu companheiro há 30 anos, disse Lula no twitter!
















Antônio Palocci ficou conhecido nacionalmente quando ocupou até o dia 27 de março 2006, o cargo de Ministro da fazenda, no governo do ex-presidente Lula quando renunciou e foi substituído por Guido Mantega.  Exerceu, desde 1 de janeiro até 7 de junho de 2011, o cargo de Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil, escolhido pela Presidente Dilma Rousseff, quando pediu demissão por denúncias de improbidade administrativa, tendo sido, mais tarde, condenado. 
Ultimamente, em delação espontânea, o médico e político brasileiro Palocci deu um ultimato ao ex-presidente Lula, delação que mexeu com o brio do presidenciável.

Pois é, Lula, não dá para confiar em políticos, companheiro há 30 anos, Palocci o entrega, tiro a queima roupa. Veja o trecho da matéria que foi publicada no G1

"Depois de décadas no PT, o ex-ministro Antonio Palocci quebrou nesta quarta-feira (6) o silêncio, diante do juiz Sérgio Moro. Sem meias palavras, o antigo braço direito de Lula acusou o ex-presidente: ele tinha um pacto de sangue com a Odebrecht e recebeu um pacote de propina que incluía o terreno do Instituto Lula, o sítio em Atibaia, palestras com cachê de R$ 200 mil cada uma, e R$ 150 milhões para as campanhas do ex-presidente. Tudo dinheiro de corrupção em contratos superfaturados com empresas públicas. Palocci afirma que Dilma sabia e compactuava com o esquema criminoso, e que ele e Lula tentaram atrapalhar as investigações da força-tarefa da Lava Jato.

O ex-ministro Antonio Palocci falou por cerca de duas horas ao juiz Sérgio Moro. Nesta ação, além de Palocci, são réus o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras seis pessoas.
A ação apura se a Odebrecht pagou propina de R$ 12 milhões a Lula com a compra de um terreno em São Paulo, onde seria construída a sede do Instituto Lula, e também de um apartamento vizinho ao de Lula, em São Bernardo do Campo.
Mas no depoimento desta quarta-feira (6), Palocci também foi questionado sobre outros assuntos e respondeu a todas as perguntas
Palocci está preso desde setembro de 2016. Em junho, em outra ação da Lava Jato, foi condenado a 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
Nessa ação, o Ministério Público afirma que o ex-ministro intermediou o repasse, no exterior, de US$ 10 milhões da Odebrecht ao casal de marqueteiros João Santana e Monica Moura, responsáveis por campanhas presidenciais de Lula e Dilma.
Palocci é apontado como o Italiano em planilhas do setor de propinas da Odebrecht.
Depois do depoimento desta quarta a Sérgio Moro, Antonio Palocci foi levado de volta à carceragem da Polícia Federal, onde segue preso."

Com informações do G1
Postar um comentário