terça-feira, 17 de abril de 2018

STF julga denúncia, e Aécio pode se tornar réu pela 1ª vez

UESLEI MARCELINO / REUTERS
Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) julga denúncia e senador Aécio Neves (PSDB-MG) pode se tornar réu pela 1ª vez.
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) poderá se tornar réu pela primeira vez nesta terça-feira (17). A Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) julga se aceita denúncia denúncia contra o parlamentar com base nas delações da JBS. O tucano é alvo de outras 8 investigações no tribunal.
No caso que será analisado, Aécio foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça, com base nas delações da JBS. Ele é acusado de receber R$ 2 milhões em propina do empresário Joesley Batista para cobrir despesas com advogados. Em troca, Aécio teria oferecido influência política para a escolha de um diretor da mineradora Vale.
A denúncia será julgada pelo relator, ministro Marco Aurélio Mello, e pelos ministros Alexandre de MoraesLuís Roberto BarrosoRosa Weber e Luiz Fux.
Aécio foi denunciado em junho de 2017 pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele também denunciou por corrupção passiva a irmão do senador, Andrea Neves, o primo, Frederico Pacheco e Mendherson Souza Lima, ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).
De acordo com as investigações, Andrea teria intermediado o contato com a JBS. Já Frederico e Mendherson teriam viabilizado os repasses. Segundo a denúncia, o pagamento foi feito em dinheiro, em 4 parcelas de R$ 500 mil cada, entre 5 de abril e 3 de maio.
Como Joesley estava colaborando com as investigações, parte dos repasses foi filmada pela Polícia Federal (PF), com autorização do ministro Edson Fachin, relator dos processos referentes à Operação Lava Jato no STF.
A defesa tenta invalidar as provas da colaboração premiada. Os advogados sustentam que o ex-procurador da República Marcelo Miller teria orientado os delatores a armarem um flagrante contra o senador.
Para a atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge, contudo, as provas continuam válidas. De acordo com ela, não há flagrante forjado porque foi Andrea Neves quem procurou Joesley para solicitar o pagamento dos R$ 2 milhões.
Janot pediu que Aécio e Andrea sejam condenados a pagar os R$ 2 milhões referentes ao valor da propina e mais R$ 4 milhões em danos morais pelo crime. O procurador também pediu que o senador perca o cargo, no caso de condenação.
Fonte: Huffpost Brasil
Postar um comentário