DATAHOSTING

Mostrando postagens com marcador Pesquisa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Pesquisa. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Lula lidera pesquisa para 2018 impulsionado por ‘efeito Marisa Letícia’

 | Filipe Araújo/Fotos PublicasSe as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceria a disputa com os demais adversários, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada nesta quarta-feira (15) pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).
De acordo com o levantamento, Lula apresenta hoje 30,5% das intenções de votos contra 11,8% de Marina Silva (Rede); 11,3% do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aparece apenas como quarto colocado, com 10,1%. Ciro Gomes (PDT-CE) tem 5% e o presidente Michel Temer conta com 3,7%.
A soma dos votos branco/nulo ou indecisos chega a 27,6%. Esses valores têm como base a consulta de intenção de voto estimulada, quando os nomes dos candidatos são apresentados aos entrevistados.
No cenário de consulta espontânea, quando não é apresentado nenhum nome aos entrevistados, Lula também lidera com 16,6% as intenções. Neste caso, Bolsonaro aparece em segundo com 6,5% e Aécio Neves em terceiro, com 2,2%. A soma de branco/nulo ou indecisos chega, contudo, a 67,8%.

Morte de Marisa Letícia impulsionou Lula

“O presidente Lula ganha hoje em todos os cenários. Se as eleições fossem hoje, facilmente seria eleito como presidente da República. Há também um crescimento bastante significativo do Jair Bolsonaro, que mostra esse nicho de pessoas que pensam de forma diferente da média”, afirmou o presidente da CNT, Clésio de Andrade.

Na avaliação dele, também pesa a favor de Lula o fato de a pesquisa ter sido realizada após a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia. “Não tem dúvida. Estamos chegando à conclusão de que todos os aspectos pesaram. O passionalismo, a comoção e provavelmente alguma coisa de saudade dos bons tempos do Lula”, considerou.
Filipe Araújo/Fotos Publicas/GAZETA DO POVO

sábado, 17 de dezembro de 2016

69% dos brasileiros apoiam fechamento do Congresso e novas eleições gerais, mostra pesquisa

Resultado de imagem para CONGRESSO DE RATOS
Estudo realizado pelo instituto Paraná Pesquisas ao portal Poder360 mostra que 90,8% não querem que Congresso escolha sucessor de Michel Temer em caso de cassação
SÃO PAULO - Caso o presidente Michel Temer perca ou renuncie ao seu mandato a partir de 2017, 90,8% dos brasileiros prefeririam escolher seu sucessor através de eleições diretas, conforme aponta pesquisa realizada pelo instituto Paraná Pesquisas ao portal Poder360.
A preferência dos eleitores vai de encontro com a determinação constitucional que aponta para eleições indiretas (isto é, a escolha seria feita por deputados e senadores) caso mais da metade do mandato tenha passado. Apenas 6% dos entrevistados concorda com tal procedimento. Para que o desejo da maioria seja atendido, seria necessário que o peemedebista renunciasse ou perdesse o mandato ainda neste ano.
O levantamento também perguntou se os eleitores seriam favoráveis ao fechamento do Congresso Nacional e a convocação de novas eleições para Deputados e Senadores nesse momento: 68,6% apoiam a medida, ao passo que 26,1% são contrários e 5,3% não sabem ou não responderam. O atual ordenamento constitucional, no entanto, não prevê tal saída, o que faria com que a maioria tivesse que contar com a boa vontade dos próprios parlamentares em promover as devidas alterações -- cenário improvável.
O instituto também mostrou que 35,1% dos entrevistados são hoje a favor de "uma intervenção militar provisória", ao passo que 59,2% são contrários. Para acessar o levantamento completo, realizado ao portal Poder360, clique aqui. O estudo foi realizado entre os dias 6 e 8 de dezembro, com 2.016 entrevistas em 152 municípios em 25 unidades da Federação. A margem de erro máxima é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95


sexta-feira, 8 de julho de 2016

Pesquisa revela que compra de votos ainda é realidade no país

A pesquisa encomendada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre as Eleições 2014 mostra que a compra e venda de votos ainda é uma realidade no Brasil, uma vez que pelo menos 28% dos entrevistados revelou ter conhecimento ou testemunhado essa prática ilegal. A pesquisa foi realizada pela empresa Checon Pesquisa/Borghi e ouviu quase dois mil eleitores de 18 a 60 anos em sete capitais, incluindo o Distrito Federal, de todas as regiões brasileiras e das classes sociais A, B, C e D.
Comprar voto é um crime previsto na Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97 – artigo 41-A) e pode levar à cassação do registro ou do diploma do candidato. De acordo com a lei, o candidato não pode doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor nenhuma vantagem pessoal de qualquer natureza com o fim de obter seu voto. Esse pedido não precisa nem mesmo ser explícito para caracterizar a compra de votos, ou seja, se houver evidência do crime já é suficiente para ensejar a punição.
Uma das conclusões da pesquisa aponta que “a percepção do eleitor no sentido de que a compra de votos é um crime ainda é pequena”. Dessa forma, “muitos enxergam com naturalidade oferecer o voto em troca de benefícios”. O estado que registrou o maior número de pessoas que declaram ter conhecimento de compra de voto foi Roraima, onde 71% dos entrevistados responderam afirmativamente a essa questão. Por outro lado, o Rio Grande do Sul registrou o menor índice, com 18% de respostas positivas.
Crimes e ilícitos
Além da compra de votos, outras práticas comuns entre candidatos são consideradas crimes eleitorais, como a utilização de prédios públicos em campanhas, quebra do sigilo do voto, coação ou uso de violência para obter o voto do eleitor, dentre outros. No entanto, nem toda irregularidade cometida durante o processo eleitoral representa um crime. São consideradas como criminosas as condutas que ofendem os princípios resguardados pela legislação eleitoral. Em especial, os bens jurídicos protegidos pela lei penal eleitoral.
Entre os crimes eleitorais, estão desde aqueles que prejudicam a inscrição de eleitores, passando por propagandas irregulares, calúnias a candidatos, divulgação de pesquisas falsas até a violação da apuração dos resultados. As penas podem resultar em detenção, reclusão ou pagamento de multa.
Já os ilícitos eleitorais também são condutas proibidas por também ofenderem os princípios resguardados pela legislação eleitoral, mas para as quais são previstas sanções civis menores, como multa eleitoral, cassação do registro de candidatura, declaração de inelegibilidade e cassação de diploma eleitoral.
Ficha Limpa
Em vigência desde as eleições de 2012, a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar nº 135/2010) tornou mais rigoroso o processo de candidatura a cargos públicos. A lei, que surgiu por iniciativa popular, com a assinatura de mais de 1,6 milhão de brasileiros, impede a candidatura, por exemplo, de pessoas condenadas por órgãos judiciais colegiados por uma série de crimes, como lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, delito contra o patrimônio público, improbidade administrativa, corrupção eleitoral ou compra de voto, mesmo que os condenados ainda possam recorrer.
Como defensor do regime democrático, o Ministério Público Eleitoral (MPE) tem legitimidade para intervir no processo eleitoral, atuando em todas as fases: inscrição dos eleitores, convenções partidárias, registro de candidaturas, campanhas, propaganda eleitoral, votação e diplomação dos eleitos. A intervenção também ocorre em todas as instâncias do Judiciário, em qualquer época, havendo ou não eleição. O MPE pode atuar como parte, propondo ações, ou como fiscal da lei, oferecendo parecer em ações propostas por outros agentes.
Veja tabela com os principais crimes eleitorais.
A pesquisa
Os interessados em saber mais detalhes sobre a pesquisa Eleições 2014 podem acessar o Portal do TSE. Além de tratar das campanhas de esclarecimento ao eleitor, o levantamento de caráter qualitativo e quantitativo aborda temas como o papel da Justiça Eleitoral, transparência do voto e o uso da biometria no último pleito.
Acesse aqui a íntegra da pesquisa.
CM/JP
FONTE: TSE JUSTIÇA

sábado, 2 de julho de 2016

53% discordam do governo Temer; aprovação é de 13%

Ver as imagens
Com pouco mais de um mês de gestão, o governo do presidente interino Michel Temerfoi considerado ruim ou péssimo por 39% da população, em junho, de acordo com a pesquisa CNI/Ibope. O levantamento foi divulgado hoje (1º) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Na última pesquisa CNI/Ibope que avaliou o governo de Dilma, em março deste ano, 69% dos entrevistados consideram o governo da petista ruim ou péssimo.
O percentual de pessoas que consideram o governo de Michel Temer ótimo ou bom é 13%, contra 10% de Dilma. Já os que avaliam o governo Temer como regular somam 36%. Em março, 19% disseram que o governo de Dilma era regular.
A popularidade do presidente interino é maior que a da presidenta afastada Dilma Rousseff, mas também é negativa. Entre os entrevistados, 31% concordam com a maneira Temer de governar e 53% discordam. No caso de Dilma, 82% não concordavam com a maneira de ela governar em março de 2016 e 14% aprovavam.
Sobre a confiança, 27% confiam no presidente Temer e 66% não confiam. O índice de confiança de Dilma era de 18%; 80% não confiavam na presidenta afastada.
Segundo o gerente-executivo de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, a proximidade política entre os dois governos e o pouco tempo em que Michel Temer está no poder reflete na manutenção do percentual de pessoas que consideram o governo atual ótimo ou bom (13%), considerando a margem de erro, em relação à última pesquisa da presidenta Dilma (10%).
Em comparação com o governo de Dilma Rousseff, 44% da população consideram que o governo Temer está sendo igual ao da presidenta afastada; 245% consideram pior e 23%, melhor. “É um fator que já se esperava, porque [o PMDB] é um dos principais partidos que estavam na base aliada do governo passado; alguns ministros até participaram do governo passado. Isso pode levar essa impressão na população de que o governo está muito parecido. Quando olhamos pelo lado do ruim ou péssimo, está melhor que antes, mas não significa dizer que está um ótimo governo”, explicou Fonseca.

Nordeste

A popularidade de Temer, segundo a CNI, é mais baixa na Região Nordeste. Para 44% dos entrevistados nessa região, o governo está sendo ruim ou péssimo; 72% não confiam no presidente em exercício e 63% desaprovam sua maneira de governar. Nas demais regiões, as avaliações são similares. No Nordeste, o governo Temer está sendo pior que o governo Dilma para 38%. Esse percentual cai para 25% entre os entrevitados no Norte e Centro-Oeste, 20% no Sudeste e 19% no Sul.
“O Nordeste era onde a presidente Dilma tinha mais força, tinha melhor índice de aprovação, e certamente esse é um fator determinante para que o presidente interino tenha uma desaprovação maior nessa região”, disse Fonseca, ao acrescentar que ainda há uma incerteza na população e um desconhecimento do que realmente esse governo vai fazer e as políticas que vai adotar.

Notícias

Para 40% do entrevistados, as notícias recentes são mais desfavoráveis ao governo. Na comparação com a pesquisa de março de 2016, o número recuou 36 pontos percentuais. O percentual dos que consideram as notícias mais favoráveis ao governo é de 18%; em março, esse percentual era 10%. Na comparação com março, houve um aumento de 9% para 25% dos que consideram que as notícias não são favoráveis nem desfavoráveis.
Para Fonseca, esse é um ponto que chamou a atenção, pois cresceu o número de pessoas que não citaram ou não lembraram ou não quiseram citar notícias específicas sobre o governo (63%). Em março, esse percentual era de 25%. “Houve uma avalanche de notícias sobre corrupção e [Operação] Lava-Jato e, de repente, isso diminuiu um pouco e começam entrar notícias de mudanças de governo. E as pessoas não se atentaram ainda ou não absorveram ainda essas notícias por completo”, disse o gerente executivo da CNI.
A pesquisa CNI/Ibope também avalia o governo por área de atuação. Impostos e taxa de juros são as áreas que mais desagradam à população, ao alçancar 77% e 76% de desaprovação, respectivamente. A pesquisa completa está disponível no site da CNI.
Temer assumiu o governo em 12 de maio, quando o Senado aprovou a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.
A pesquisa foi feita entre os dias 24 e 27 de julho com 2.002 pessoas, em 141 municípios. A margem de erro é dois pontos percentuais e, segundo a CNI, o grau de confiança da pesquisa é 95%.
Andreia Verdélio, da Agência Brasil
Foto: AGPT

Fonte: Yahoo Notícias

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Sergio Moro lidera intenções de voto para Presidência da República em pesquisa do PT

Sergio Moro lidera intenções de voto para Presidência da República em pesquisa do PT
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
O juiz federal Sergio Moro lidera com 14% as intenções de voto para as eleições presidenciais de 2018. O dado foi apontado por uma pesquisa interna encomendada pelo PT , com levantamento na cidade de São Paulo, entre o fim de maio e início de junho. De acordo com a coluna Painel, Marina Silva (Rede) aparece em segundo lugar, com 12% das intenções de voto, seguida por Lula (PT), com 11%. Geraldo Alckmin (PSDB) e José Serra (PSDB) empatam com 10%. O ex-ministro Ciro Gomes tem 4%  das intenções de voto e o deputado federal Jair Bolsonaro, 3%. O presidente interino Michel Temer e o presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (ambos do PMDB) também pontuam, mas estão tecnicamente empatados, com 2% e 1%, respectivamente. 

domingo, 12 de junho de 2016

Se o ex-presidente Lula é tão ruim como à mídia prega, como explicar a liderança nas pesquisas eleitorais para 2018?

Parafraseando Nicolau Maquiável, “fale mal ou bem de mim, mas, fale.” Essa frase histórica se aplica aos discursos de alguns políticos. No caso do ex-presidente Lula, à mídia não consegue deixa-lo fora do poder, tanto é que as pesquisas para a corrida presidencial o aponta como favorito na disputa. Ainda sobre Maquiável, o critério do certo e errado é o êxito.
Sem defender à corrupção, é pertinente afirmar os acertos do governo Lula, como também os escândalos de corrupção que marcaram seu governo. Durante o governo Sarney, para andar de avião era um grupo seleto, os ditos pistolões, pobre não tinha acento, tão pouco acesso. Por falar em acesso, entrar numa universidade não era uma tarefa tão simples, hoje, com o ENEM, o SISU ficou mais simplificado.
O que justifica a popularidade do ex-presidente? À alienação das massas? Ou, um governo que beneficiou os mais pobres?

Confira os escândalos durante o governo de Fernando Henrique Cardoso entenda que o problema do país não se resolve com uma simples alternância, mas, com reformas políticas e com a mudança de governar o país. Um congresso corrupto como o nosso não tem o poder de decidir o futuro de um país, eleições já!

Operação Navalha
A investigação da Polícia Federal, que começou em 2004 na Bahia, apontou a existência de um sofisticado grupo organizado voltado a obtenção ilícita de lucros por meio da contratação e execução de obras públicas. Diversos crimes autônomos teriam sido praticados, como fraude a licitações, peculato, corrupção ativa e passiva, crimes contra o sistema financeiro nacional e outros. O suposto esquema teve início no Poder Executivo federal. Em troca de vantagem indevida, servidores e agentes políticos de diversos ministérios direcionavam verbas da União para obras em locais onde havia atuação da construtora Gautama. Os prejuízos chegam a mais de R$ 154 milhões.

Máfia dos Sanguessugas (ou da Ambulância)
Apesar de existir desde 2001, o esquema foi deflagrado pela PF, em parceria com a CGU, em maio de 2006 e prendeu assessores e servidores públicos acusados de desviar mais de R$ 110 milhões do Orçamento destinado à saúde pública na compra de ambulâncias superfaturadas em até 120%. A propina era paga pela empresa Planam. Mais de 70 parlamentares foram denunciados como integrantes da quadrilha, que atuou durante cinco anos em Mato Grosso, Acre, Amapá, Distrito Federal, Paraná e Rio de Janeiro. O esquema ocorreu durante o período em que quatro ministros ficaram à frente da pasta: José Serra e Barjas Negri, no governo FHC, e Humberto Costa e Saraiva Felipe, do governo Lula.

Caso Furnas
O esquema levantou indícios de superfaturamento na construção de duas hidrelétricas, Batalha e Simplício, que começou em 2008, pela empresa estatal Furnas Centrais Elétricas. Na época, o Tribunal de Contas da União (TCU) levantou que o estudo de viabilidade de Batalha (na divisa entre MG e GO) orçava a obra em R$ 460 milhões. Depois, o valor pulou para R$ 868 milhões e chegou quase a R$ 1 bilhão. Analisando a relação custo da obra e do retorno, o prejuízo estimado foi de, no mínimo, R$ 177 milhões. No mesmo período, também foram levantadas irregularidades em atos administrativos praticados pela gestão da Sociedade de Propósito Específico (SPE) Serra do Facão, que ocasionou perdas financeiras de R$ 8,4 milhões.

Máfia dos Transportes
Uma série de denúncias de superfaturamento foi levantada em julho de 2011. No foco, estavam a estatal das ferrovias Valec e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), comandado por Luiz Antonio Pagot (PR). Conforme relatos apurados pela imprensa da época, o PR cobrava 4% de propina de empreiteiras interessadas em contratos com o governo. A maior parte do dinheiro ia para o caixa do partido, sob a direção do então ministro Alfredo Nascimento e do deputado Valdemar Costa Neto. O restante era destinado aos parlamentares dos estados em que as obras deveriam ser feitas. O rombo ultrapassou os R$ 23 milhões.

Fraude em licitações da Saúde Pública do Rio de Janeiro
No início de 2012, um repórter do Fantástico se infiltrou no setor de compras do Hospital Federal Infantil do Rio de Janeiro durante dois meses. A reportagem, que foi ao ar em março, revelou um poderoso esquema de fraudes em contratos e licitações, pagamentos de propinas, pagamentos sem serviços prestados ou sem cobertura contratual. Além de funcionários públicos, quatro empresas, que estão entre os maiores fornecedores do governo federal, foram investigadas. Entre elas estava a Locanty, que, em 2010, doou mais de R$ 1,4 milhão para quatro campanhas eleitorais: a do governador Sérgio Cabral (R$1,3 milhão), dos deputados estaduais Alcebíades Sabino (PSC) e Bebeto (PDT), que receberam R$ 50 mil cada, e à direção nacional do PSDB, que também recebeu contribuição de R$50 mil. O prejuízo aos cofres públicos foi de R$ 22 milhões.

Fontes: NOTÍCIAS UOL/ ÉPOCA NEGÓCIOS/ LULA LIDERA PESQUISA PARA PRESIDENTE O GLOGO

terça-feira, 23 de junho de 2015

Pessoas Inteligentes se Masturbam Mais, Revela Estudo

Dados científicos, às vezes, nos oferecem uma verdade relativa, já que as pessoas tendem a mentir em algumas situações. Não revelamos toda a verdade, especialmente sobre questões que nos incomodam ou que carregam um tabu cultural. Um dos mais óbvios é o sexo, onde “normal” é um conceito turvo. Mas, ocasionalmente, surge algum estudo científico para lançar alguma luz sobre como nos relacionamos sexualmente com o sexo oposto.

Uma recente pesquisa realizada nos EUA encontrou uma correlação curiosa entre duas variáveis: o nível de educação de uma pessoa e a frequência de masturbação, revelando que pessoas com conhecimentos de ensino superior tendem a se masturbar com mais freqüência.
Este estudo interessante e controverso foi realizado pela Escola Nacional de Saúde e Comportamento Sexual, organizada pela psicóloga especializada em conduta sexual Debby Herbenick. De acordo com Pere Estupinyà, em seu livro S = EX2, a pesquisa foi totalmente financiada por uma empresa conhecida de preservativos, e consistiu em uma amostragem total de 6.000 norte-americanos com idades entre 14 a 90 anos, sendo um dos estudos mais completos sobre a sexualidade dos seres humanos em sociedades modernas. Os dados e resultados dessa pesquisas têm recebido muita atenção.
Os resultados da investigação
A pesquisa revelou que 71,5% das mulheres entre 25 e 29 anos reconhece ter se masturbado durante o último ano. Um número mais modesto, 46,5%, são de mulheres entre 60 e 69 que afirmam ter feito nos últimos 365 dias. Se formos avançando na idade, como no caso de pessoas com mais de 70 anos, o estudo relatou que 33% desse grupo diz ter se masturbado no ano passado; um número bem alto quando se considera a crença popular de que o sexo não está presente na vida dos idosos.
Outras conclusões do estudo foram, por exemplo, a correlação entre o nível acadêmico do sujeito com a frequência com que se masturbam. Como indicado no título da matéria, parece que há uma tendência de que quanto maior o nível de escolaridade, mais frequentemente o indivíduo se masturba.
Além disso, a pesquisa também mostrou que 25% dos homens e apenas 5% das mulheres admitem ter consultado conteúdo pornográfico na Internet durante o último mês. Outro fato interessante, e que tem a ver com a proteção durante o sexo, é que 28% dos homens dizem que perderam a ereção quando se preparavam para colocar o preservativo em pelo menos um de seus últimos três encontros sexuais.
Fontes: KinseyInstitute e Psicologiaymente traduzido e adaptado por Psiconlinews

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Natal e Pipa aparecem entre os termos mais buscados no Google da Argentina

Além de Natal, também aparecem entre os termos mais buscados as cidades de Fortaleza (CE), Bonito (MS), Itapema (SC), Florianópolis e Torres (RS)


Por Redação
Belezas da capital atraem hermanos (Foto: Alberto Leandro/PortalNoar)
Belezas da capital atraem hermanos (Foto: Alberto Leandro/PortalNoar)
As belezas de Natal estão entre os termos mais procurados pelos argentinos na ferramenta mundial de busca na internet, Google. A informação consta em levantamento feito pela própria empresa americana ao jornal Folha de S.Paulo.
Além da capital potiguar, a praia de Pipa, no litoral Sul do Rio Grande do Norte também aparece entre os termos mais buscados pelos hermanos quando o assunto é Brasil. Cidades como Fortaleza (CE), Bonito (MS), Itapema (SC), Florianópolis e Torres (RS).
Ao Google, o jornal pediu um levantamento sobre o que cidadãos de outros países pesquisam sobre o Brasil. A pesquisa realizada entre 2004 e 2015 foi realizada levando-se em conta hábitos de busca de seis países, de diferentes continentes do mundo.
Portugal, Iraque, Estados Unidos, Venezuela e França também estiveram entre os países envolvidos no levantamento. Curiosamente, futebol, samba e carnaval estão longe de ser as unanimidades nas pesquisas dos estrangeiros.
Os portugueses costumam pesquisar por “Quem descobriu o Brasil?”. Os iraquianos gostam de buscar sobre mulheres brasileiras. Os franceses indagam “Quais as particularidades da presidente Dilma?”, “o Brasil produz para alimentar sua população ou para vender?” e “por que chamam o Brasil de fazenda do mundo?”.
Fonte: Portal no ar

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Pesquisa aponta que 61% dos acarienses aprovam a administração Isaias Cabral


Pesquisa realizada pelo Instituto Agorasei em Acari mostra que a administração do prefeito Isaias Cabral é aprovada por 61% da população do município. Os entrevistados que a desaprovam são 27% e os que não souberam responder somam 12%. 

A pesquisa foi realizada nos dias 29 e 30 de abril e ouviu 400 pessoas em todos os bairros e principais comunidades rurais do município. O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 4.8 pontos percentuais, para mais ou para menos sobre os resultados totais da amostra.

sábado, 25 de outubro de 2014

Ibope, votos válidos: Ricardo tem 53% e Cássio, 47%, na PB

Pesquisa Ibope divulgada neste sábado (25) aponta os seguintes percentuais de intenção de votos válidos na corrida para o governo da Paraíba:
Ricardo Coutinho (PSB) – 53%
Cássio Cunha Lima (PSDB) – 47%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

A pesquisa foi encomendada pelas TVs Cabo Branco e Paraíba.

Esse é o segundo levantamento divulgado pelo instituto no segundo turno da eleição para governador da Paraíba. No levantamento anterior, divulgado no dia 17, Ricardo também aparecia com 53% e Cássio Cunha Lima, com 47%.
Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Ricardo Coutinho (PSB) – 49%
Cássio Cunha Lima (PSDB) – 44%
Branco/nulo – 5%
Não sabe/ não respondeu – 2%

O Ibope fez a pesquisa entre os dias 22 e 24 de outubro. O instituto ouviu 812 eleitores. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. O que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número PB-00052/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR-01197/2014.

Fonte: G1/PB

sábado, 18 de outubro de 2014

Ricardo Coutinho tem 53% e Cunha Lima, 47%, diz Ibope

Cássio-e-Ricardo2A primeira pesquisa Ibope com intenções de voto para o segundo turno no governo da Paraíba, divulgada na sexta-feira (17), mostra o governador Ricardo Coutinho (PSB) com 53% das intenções de votos válidos, contra 47% do senador Cássio Cunha Lima (PSDB). A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.
Levando em conta brancos, nulos e indecisos, Coutinho tem 48% e Cunha Lima, 42%. Segundo a pesquisa, os votos brancos e nulos somariam 6%, e os indecisos são 4%. A pesquisa foi contratada pela TV Cabo Branco e registrada no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) sob protocolo PB-00046/2014. A pesquisa ouviu 812 eleitores entre os dias 14 e 16 de outubro. O nível de confiança do levantamento é estimado em 95%.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Ibope, votos válidos: Robinson tem 54% e Henrique, 46%, no RN

 http://cidadenewsitau.blogspot.com.br/Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (15) aponta os seguintes percentuais de votos válidos na corrida para o governo do Rio Grande do Norte:
- Robinson Faria (PSD) - 54%
- Henrique Eduardo Alves (PMDB) - 46%
Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
É o primeiro levantamento divulgado pelo instituto no segundo turno da eleição para governador do RN. Segundo o Ibope, os candidatos estão empatados tecnicamente dentro da margem de erro, de três pontos.

A pesquisa foi encomendada pela Inter TV Cabugi.

Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:
- Robinson Faria (PSD): 45%
- Henrique Eduardo Alves (PMDB): 38%
- Branco/nulo: 12%
- Não sabe/não respondeu: 5%
O Ibope ouviu 812 eleitores em 39 municípios do estado de 12 e 14 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Eleitoral Regional (TRE-RN) sob o protocolo RN-00043/2014.

Rejeição
O Ibope perguntou em qual candidato o eleitor não votaria de jeito nenhum. Veja os números:
Henrique Eduardo Alves - 47%
Robinson Faria - 35%
Poderia votar em ambos - 15%
Não sabe/não respondeu - 8%
Expectativa de vitória
O Ibope também perguntou aos entrevistados quem eles acham que será o próximo governador, independentemente da intenção de voto. Para 43%, Henrique Eduardo Alves sairá vitorioso; 43% acreditam que Robinson Faria ganhará; 14% não sabe ou não respondeu.
1º turno
No primeiro turno, Henrique Eduardo Alves teve 47,34% dos votos válidos e Robinson Faria, 42,04%

Via G1/RN

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Vox Populi mostra empate entre Dilma Rousseff e Aécio Neves

Considerando apenas votos válidos, Dilma aparece com 51%, enquanto o tucano tem 49%. Também há empate técnicoMontagem/R7
Pesquisa Vox Populi, encomendada pela TV Record, Record News e R7, indica que a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e o candidato Aécio Neves (PSDB) estão tecnicamente empatados na corrida ao Palácio do Planalto. A petista, porém, aparece um ponto percentual à frente do tucano, segundo o levantamento divulgado nesta segunda-feira (13).
Em relação às intenções de voto, Dilma Rousseff tem 45% e Aécio Neves aparece com 44%. Os brancos e nulos são 5% do total, enquanto que os eleitores indecisos também somam 5%. Como a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, os dois candidatos estão empatados tecnicamente.
Considerando apenas os votos válidos, ou seja, sem as intenções votos em branco e nulo e os eleitores que não sabem em quem vão votar, outro empate técnico: Dilma aparece com 51% e Aécio totaliza 49%.
A pesquisa ouviu 2.000 eleitores em 147 cidades de todas as regiões do País entre o sábado (11) e domingo (12). A margem de erro do levantamento é de 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-01079/2014.
Fonte: R7

sábado, 11 de outubro de 2014

Pesquisa Istoé/Sensus: Aécio tem 58,8% e Dilma, 41,2%

Foram feitas 2 mil entrevistas em 24 estados
A primeira pesquisa Istoé/Sensus, divulgada neste sábado (11), mostra o candidato Aécio Neves (PSDB) com 58,8% dos votos válidos e a petista Dilma Rousseff, com 41,2%, uma diferença de 17,6 pontos percentuais.

De acordo com o site da revista Istoé, o levantamento foi feito entre 7 e 10 de outubro. A pesquisa também aponta que o índice de eleitores que afirmam não votar em Dilma de forma alguma é de 46,3%. Já a rejeição de Aécio Neves é de 29,2%. 
Ainda segundo a Istoé, as 2000 entrevistas foram realizadas em 24 estados e 136 municípios. No levantamento sobre o total de votos, Aécio soma 52,4%, Dilma 36,7% e os indecisos, brancos e nulos são 11%, com margem de erro 2,2% e índice de confiança de 95%.
Nos votos espontâneos, quando nenhum nome é apresentado ao eleitor, Aécio soma 52,1%, Dilma fica com 35,4% e os indecisos são 12,6%. 
Dados da pesquisa ISTOÉ|Sensus
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01076/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 Estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural.

Fonte: Correio do Estado

PORTAL USA NÚMEROS FALSOS E DIZ QUE PESQUISA APONTA DILMA LIDERA PESQUISA EM MG COM 82 POR CENTO

VERDADEIRO: Números oficiais das eleições em Minas Gerais desmentindo esse tipo de coisa, segundo o resultado oficial TIVEMOS DILMA 4.8,29,513 E AÉCIO 4.414,452 em números percentuais 43,48 DILMA e Aécio 39,75 a diferença não chega a 4 pontos percentuais. Em resumo, independente de qualquer coisa, não seja divulgador de pesquisas falsas. Os números que citei são verdadeiro e não vou citar o site para não ser conivente com este tipo de informação. Usar indevidamente um nome de Instituto com credibilidade sem dúvida merece uma investigação. Mentira tem pernas curtas. Enfim, segue o link do site PORTAL PORTAL METRÓPOLE não seja propagador de mentiras, independente de quem você vota, mas sem dúvida, é hilário. 

Thumbnail


INFORMAÇÃO DISTORCIDA E QUE NÃO TEM NADA A VER COM O INSTITUTO DATAFOLHA É FALSO: A pesquisa data folha divulgada na última quinta-feira mostra a petista Dilma Rousseff com 82% em Minas Gerais, onde o então candidato tucano a presidência neste segundo turno Aécio Neves foi governador durante exatos oito anos em seu mandato. Na última eleição o senador perdeu em quase todas as cidades do seu estado com exceção de 5 cidades concentradas onde moram a família neves. A situação do senador em seu estado é bem critica, já que ele visita frequentemente lá, e sua campanha é mais concentrada nessa região do país, porém os mineiros mostraram que preferem Dilma ao invés do ex-governador do estado.
O senador aparece com 12% das intenções de voto, nulos e brancos 5%, 1% dos entrevistados não souberam ou não quiseram responder.

Durante o mandato do ex-governador as criticas, escândalos e manifestações eram frequentes, porém eram ignoradas pela mídia local que sofria ataques de censura. Talvez, isso venha a refletir a situação do mesmo de quem o viu governar.

BRASIL – Considerando-se a participação de cada uma dessas regiões no eleitorado nacional, a pesquisa do Datafolha mostra que Aécio tem 51% das intenções de voto e Dilma, 49%. A situação é de empate técnico porque a margem de erro do Datafolha é de dois pontos percentuais. Ainda assim, o instituto informa que desde 1989, esta é a primeira vez em que um candidato que ficou em segundo lugar no primeiro turno aparece à frente na simulação de voto no segundo turno. O Datafolha ouviu 2.879 eleitores em 178 cidades nos dias 8 e 9 de outubro.

Amigos, clique e Curta a Fan page Voz do Povo ajude compartilhando, indicando e desconstruindo mentiras, partilhe com o maior número de amigos. Detalhe, o site tentou de forma covarde colocar uma nota desmentindo, mas foi tarde. 



Confira o artigo original no Portal Metrópole: PORTAL METRÓPOLE

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

IBOPE E DATA FOLHA APONTAM EMPATE TÉCNICO ENTRE AÉCIO E DILMA

Ibope: Aécio tem 46%, e Dilma, 44%
Pesquisa mostra pela 1ª vez o candidato do PSDB à frente numericamente da candidata do PT. Com a margem de erro de 2 pontos, eles estão empatados tecnicamente.
Ibope: Aécio tem 46%, e Dilma, 44% (Editoria de Arte/G1)
Datafolha: Aécio tem 46%, e Dilma, 44%
Pesquisa mostra pela 1ª vez o candidato do PSDB à frente numericamente da candidata do PT. Com a margem de erro de 2 pontos, eles estão empatados tecnicamente.
Datafolha: Aécio tem 46%, e Dilma, 44% (Editoria de Arte/G1)
Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (9) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto no segundo turno da corrida para a Presidência da República:
Aécio Neves (PSDB): 46%
Dilma Rousseff (PT): 44%
- Branco/nulo: 4%
- Não sabe/não respondeu: 6%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo".
É o primeiro levantamento divulgado pelo instituto no segundo turno da eleição presidencial.
Votos válidos
Se forem excluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, mesmo procedimento utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição, os índices são:
Aécio - 51%
Dilma - 49%
Datafolha ouviu 2.879 eleitores nos dias 8 e 9 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01068/2014.
1º turno
No primeiro turno, Dilma teve 41,59% dos votos válidos e Aécio, 33,55% (veja os números completos da apuração no país).
Fonte: G1