terça-feira, 27 de setembro de 2016

Injúria contra Deputada Federal Zenaide Maia é alvo de processo na Justiça


A Deputada Federal Zenaide Maia – PR/RN, entrou com ação por danos morais contra o blogueiro do município de São Gonçalo do Amarante, Leidismar Gurgel, por injúria e difamação.

Tido como porta-voz do vereador, Alexandre Cavalcanti - PMDB, o blogueiro publicou nota em seu blog em que mencionou o seguinte trecho: “Totalmente descontrolada e visivelmente abalada a deputada federal Zenaide Maia, esposa do prefeito Jaime Calado, em um comício chamou os moradores de São Gonçalo de "Falsos, covardes, traiçoeiros e ingratos".

Zenaide declara que o fato publicado não tem qualquer base real e que a iniciativa de processar o blogueiro não tem relação com o instituto de liberdade de imprensa. “Esse blog não pode ser considerado imprensa. É apenas um instrumento de campanha rasteira, usado pelos nossos adversários para espalhar injúrias e difamar pessoas de bem, o que não podemos aceitar. Não só em meu nome, mas em nome de qualquer cidadão que tem o direito constitucional de preservar a sua honra e a sua dignidade”, afirmou.

Sobre a indenização

A Deputada Zenaide Maia informa que a quantia que vier a ser auferida como indenização deste processo, a mercê da decisão judicial, deverá ser destinada às instituições de caridade do município de São Gonçalo do Amarante.

CANDIDATO A PREFEITO DE CARNAÚBA DOS DANTAS, GILSON DANTAS, É ALVO DE GRAVE AMEAÇA.


Resultado de imagem para gilson dantasCandidato a Prefeito de Carnaúba dos Dantas, o jovem Gilson Dantas, recebeu ligações com grave ameaça para que desistisse imediatamente da sua candidatura a prefeito do município seridoense. O fato aconteceu após o candidato disparar na disputa pela prefeitura da terra do Monte do Galo, arrastando multidões nas palestras, comícios, passeatas e carreatas por onde passa. Amigos de várias cidades têm prestado solidariedade ao amigo Gilson nas redes sociais. O candidato já registrou Boletim de Ocorrência na delegacia de polícia local e espera a apuração dos fatos.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

MISTÉRIO: Instituto AgoraSei não publicará mais pesquisa em Carnaúba dos Dantas.

Resultado de imagem para pesquisa eleitoralpesquisa que o Instituto AgoraSei faria em Carnaúba dos Dantas,  que foi contratada pelo candidato Alexandre Dantas e amplamente festejada pelos seus correligionários na semana passada, foi registrada para divulgação no TRE-RN neste domingo, 25, mas, sem explicações, foi cancelada.
O mistério tomou conta da cidade: quais seriam os motivos que levaram ao cancelamento da pesquisa?


Do Blog: estamos à disposição para esclarecimentos, pactuando com o respeito ao estado democrático e de direito. 

RN LANÇA CAMPANHA HISTÓRICA EM FEIRA TURÍSTICA NA ARGENTINA


O potencial turístico do Rio Grande do Norte será um dos destaques na maior feira de turismo da América Latina, a FIT 2016, realizada mais uma vez na capital argentina, Buenos Aires. Pela primeira vez em sua história, o Estado potiguar participará com estande próprio, montado com recursos do RN Sustentável, como diferencial para destacar ainda mais as belezas e a cultura norte-rio-grandense.
Assim como Portugal, que no último mês de março também recebeu campanha de divulgação maciça dos destinos potiguares no estande próprio montado na BTL em Lisboa, a Argentina tem sido outra aposta do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Turismo e da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur).
Se o mercado português foi por anos o responsável pelo maior número de turistas estrangeiros ao RN, a Argentina hoje tomou a dianteira e figura ainda com potencial gigantesco a ser explorado, sobretudo quando a intenção da SeturRN/Emprotur é viabilizar mais um voo semanal junto à Gol Linhas Aéreas, direto para a capital potiguar.
O secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar, lembra que não só o Rio Grande do Norte, mas o Nordeste ainda é mercado inexplorado pelo argentino. “Após reconquistarmos o voo Buenos Aires/Natal ano passado, temos o dever de casa em promover nosso Estado para não só manter este voo lotado, mas viabilizar um segundo e tornar essa rota costumeira ao argentino”.
“Com apoio do Governo do Estado e do RN Sustentável temos focado bastante a divulgação na Argentina. O resultado é comprovado em dados, com esse turista já incluso como um dos principais emissivos em nossa malha aérea internacional. Não à toa o voo Buenos Aires/Natal é o mais rentável do Nordeste à Companhia Gol, do ponto de vista comercial”, destacou a presidente da Emprotur, Aninha Costa.

Reconquista
Há pouco mais de uma década, Natal possuía três conexões com o interior da Argentina. Natal também foi a primeira capital a trabalhar divulgação com esse nicho de mercado no país e só depois os outros começaram. “Mas nos últimos anos aconteceu o inverso: Natal deixou de investir e os outros apostaram no interior. Então precisamos recuperar o que foi nosso”, enfatiza a presidente da Emprotur.
E o trabalho já começou. A Setur e a Emprotur têm investido em eventos de promoção na Argentina, sobretudo na capital. E a Emprotur já vem planejamento campanha de promoção dos destinos potiguares no interior, programada para o período pós-carnaval, com intenção de trabalhar a baixa temporada.
Uma das ações pretende trazer 12 agentes de viagem argentinos para conhecer o RN, em parceria com a Gol Linhas Aéreas. No último mês de agosto, na Press Trip promovida pelo Governo do RN com recursos do RN Sustentável, também foi convidada uma jornalista argentina, do jornal La Nación.

Divulgação
A promoção do RN na Argentina teve destaque ano passado com estampa dos nossos destinos no principal site do país, o “Clarin”, também dentro do sítio de viagens do site Todo Viajes e ainda com pacotes inseridos no “Shopping Viajes”. E serviu como preparativo para o lançamento do voo direto Buenos Aires/Natal, inaugurado em julho de 2015.
Três meses depois, em outubro, a equipe da TV Metro, da Argentina, recebeu total apoio logístico da Setur e Emprotur para iniciar gravações em alguns dos principais pontos turísticos do Estado potiguar, que foram ao ar para todo o país. Dunas, cultura e personagens pitorescos exibidos durante semanas na rede aberta da tv argentina, em vários programas do canal.
Segundo dados da Superintendência da Polícia Federal, apenas para voos diretos, nos sete primeiros meses deste ano a Argentina foi responsável pelo envio de 2.671 estrangeiros para o Rio Grande do Norte, atrás apenas de Portugal (6.891), Itália (5.325) e Espanha (2.726). No total, entre voos diretos e os que chegam por meio de conexões, a Argentina responde hoje pelo maior número de turistas estrangeiros no RN.

domingo, 25 de setembro de 2016

EM PLENO MEIO DIA, MULTIDÃO PRESTIGIOU GILSON DANTAS E ARAIDSON!

Na manhã de hoje (25) de setembro, uma multidão percorreu as ruas de Carnaúba consolidando a vitória próximo dia 02.   As imagens dispensariam o texto, o verde da esperança e amarelo que simbolizam prosperidade, contagem regressiva para o próximo dia 02 de outubro. 

sábado, 24 de setembro de 2016

Conheça as propostas do candidato a vereador Araken

Sempre atuando em defesa dos consumidores, no PROCON  criei vários programas, entre eles; COMBUSTÍVEL MAIS BARATO JÁ , DE OLHO NA VALIDADE e LIMPE SEU NOME. Como Vereador irei propor leis que protejam os consumidores, além de cobrar do futuro prefeito o cumprimento das metas na SAÚDE e EDUCAÇÃO. Diante de toda minha história e experiência  me sinto preparado para representar a sociedade natalense na câmara municipal, para isso conto com seu voto!

Saiba mais sobre minhas propostas:

Pergaminho revela um dos primeiros textos do Antigo Testamento

Ver as imagens
(Arquivo) Manuscrito do Antigo Testamento, é visto em Jerusalém, no dia 20 de julho de 2015
Um frágil pergaminho hebraico, que acaba de ser aberto e digitalizado, revelou a cópia mais antiga de uma escritura bíblica do Antigo Testamento já encontrada, anunciou na quarta-feira um grupo de pesquisadores.
Conhecido como o pergaminho En-Gedi, o rolo contém um texto do Levítico e data pelo menos dos séculos III ou IV, e possivelmente antes, segundo um artigo da revista Science Advances.
Trata-se do pergaminho mais antigo já encontrado do Pentateuco, a coleção dos cinco primeiros livros da Bíblia.
A publicação afirmou que decifrar seu conteúdo foi "uma importante descoberta da arqueologia bíblica".
O pergaminho em si não é o mais antigo já encontrado. Tal honra pertence ao bíblico Manuscritos do Mar Morto, que data de entre o século III antes de Cristo e o século II da nossa era.
A datação por radiocarbono mostrou que o pergaminho En-Gedi data do século III ou IV depois de Cristo, embora alguns especialistas acreditem que possa ser mais antigo.
As análises sobre o estilo da caligrafia e os traços das letras sugerem que poderia ser da segunda metade do século I ou de princípios do século II depois de Cristo.
Por muito tempo se pensou que seu conteúdo havia sido perdido para sempre porque o rolo foi queimado no século VI e era impossível tocá-lo sem que se desfizesse em cinzas.
O pergaminho foi encontrado em 1970 por arqueólogos em En-Gedi, lugar de uma antiga comunidade judia do fim do século VIII. Seus fragmentos foram preservados por décadas pela Autoridade de Antiguidades de Israel.
"A estrutura principal de cada fragmento, completamente queimada e esmagada, tinha se transformado em pedaços de carvão que continuavam se desintegrando cada vez eram tocados", disse o estudo.
Os pesquisadores utilizaram como ferramenta um avançado scanner digital para "desenrolá-lo virtualmente" e ver seu conteúdo.
"Ficamos impressionados com a qualidade das imagens", disse Michael Segal, diretor da Escola de Filosofia e Religião da Universidade Hebraica de Jerusalém.
Os cientistas também ficaram impactados com "o fato de que nessas passagens o pergaminho En-Gedi Levítico é idêntico em todos os seus detalhes, tanto as letras como a divisão em seções, ao que chamamos de texto massorético, o texto judaico vigente até hoje", disse Segal.
Os pesquisadores esperam que as técnicas utilizadas para lê-lo sirvam também para outros pergaminhos danificados, incluindo alguns da coleção do Livro do Mar Morto, que continua sendo indecifrável.
Fonte: 

Por Kerry SHERIDAN/AFP

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CARNAÚBA DOS DANTAS: Rômulo Argentière e a Divulgação Científica no Brasil

Ciência e Consciência na Vida e na Obra de Rômulo Argentière
Rômulo Argentière é um desses nomes que o Brasil ainda não soube reconhecer o seu real valor, deixando com isso de prestar-lhe o devido tributo. Argentière formou-se na Ecole de Physique et Chemie da Sorbonne em Paris, ainda nos anos 1930, quando a Física no Brasil começava apenas a ensaiar os seus primeiros passos. Ele foi pioneiro no minucioso levantamento geológico dos minerais radioativos e estratégicos no Brasil; pioneiro também na divulgação científica em nosso país, autor de vários artigos e livros científicos e de divulgação. Sendo poliglota – falava e escrevia em oito línguas – fez diversas traduções de obras importantes de vários idiomas, do inglês, do francês, do alemão e inclusive do russo. Dotado de uma vasta cultura científica e humanística, ele conseguiu produzir uma obra literária que motivou gerações para o estudo da ciência e em particular da Física e da Astronomia. Além de cientista e escritor de talento, Argentière foi também um nacionalista visionário, dotado de uma genuína consciência social.
Pensador de esquerda, ele lutou na campanha patriótica denominada de “O Petróleo é Nosso”, lado a lado com vultos históricos como o escritor Monteiro Lobato[i] – que foi inclusive seu padrinho de
casamento e um de seus melhores amigos – com o general Horta Barbosa e com vários outros
personagens históricos ilustres. Foi Monteiro Lobato quem descobriu o grande talento de Argentière para a divulgação científica e quem o levou para o terreno da literatura deste gênero. Juntos, os dois realizaram uma série de maravilhosas traduções dos melhores autores internacionais de ciência, criando uma tradição na história da divulgação científica brasileira.
Argentière publicou mais de três milhões de livros – um recorde absoluto, ainda hoje, em termos de livros de divulgação científica no Brasil – mas morreu pobre, na miséria, chegando a passar fome, em decorrência de problemas familiares e da completa falta de reconhecimento do Estado a quem ele prestara os seus mais valorosos serviços técnicos e científicos.
Tendo sido um professor notável e um conferencista brilhante – a quem o autor do presente artigo, teve o prazer de assistir a algumas de suas inúmeras palestras em Recife em 1973 – Argentière levou uma vida sem ambições pessoais, totalmente dedicada à pesquisa e à divulgação científica e aos muitos amigos que conquistou em vida com sua radiante simpatia, com o magnetismo da sua inteligência e o brilho da sua vasta cultura científica e humanista.
Educador influente, Argentière costumava dizer que “ser professor é combater as trevas”. Defendia ardentemente a liberdade acadêmica e certa vez, diante de uma intervenção arbitrária do governo na escolha de um reitor de uma instituição federal de ensino no Rio Grande do Norte, ele foi enfático em suas palavras, classificando a medida como uma: “intervenção indevida do poder central  na autonomia universitária” e assinalando ainda que: “é uma vergonha o que está se fazendo” (Argentière, In Rosado & Rosado, 2002, p. 78).
Homem decidido e corajoso, Argentière lutou pelos seus ideais com bravura e dedicação, mas também com ternura no coração; assim o descrevem os seus muitos amigos. Por abraçar, como dissemos acima, a causa nacionalista “O Petróleo é Nosso”, ele foi perseguido pelas autoridades mais reacionárias do país. Os seus conhecimentos científicos também lhe trouxeram alguns problemas com as autoridades governamentais ao escrever, em 1943, em plena Segunda GuerraMundial, um artigo jornalístico no qual antevia e explicava em linhas gerais os princípios de funcionamento de uma bomba atômica e o uso da energia nuclear como elemento de destruição. Isso, em uma época em que o referido assunto era um alto segredo de Estado dos países aliados – a destruição de Hiroshima só ocorreria dois anos mais tarde. Segundo a sua própria narrativa:
Fui levado a interrogatório pelas Forças Armadas, mas me safei com a lógica: havia lido em algumas revistas especializadas da Inglaterra, às quais tinha acesso, que os cientistas norte-americanos estavam tentando separar o urânio 235 do urânio 238. Eu, como especialista, deduzi rapidamente que isso poderia desencadear uma grande liberação de energia que, possivelmente, seria usada com fins bélicos”, escreveu Rômulo, em uma de suas cartas. (Argentière, apud Mauso, 2002).
Como homem de esquerda, Rômulo referia-se sempre ao golpe de Estado perpetrado pelos militares em 1964, como a “revolução de primeiro de abril”, enfatizando, assim, de forma irônica, a origem daquele evento como a de um autêntico embuste. Certa vez, em uma carta a um amigo fraterno, ele se referiu com admiração a um seu ex-colega – Ortiz Monteiro – com palavras que dão uma clara ideia do que ele mesmo pensava sobre a ditadura militar que dominou o Brasil por três décadas: “A última vez que conversei com Ortiz Monteiro foi ao final de 64 ou 65, no qual ele me dissera que iria pedir aposentadoria do cargo para não ter de acusar velhos companheiros de jornada, por causa da revolução de 1o de abril. Nunca mais o vi e creio até que se mudou de São Paulo. Isto mostra a inteireza de seu caráter e de sua formação moral e educacional” (Argentière In Rosado & Rosado, 2002, p.60).
No início dos anos 60, Argentière, com seu pensamento de esquerda, não apenas emitia esse tipo de opinião, como exercia sobre os amigos uma considerável influência positiva. Um de seus muitos amigos, o jornalista Leonardo Bezerra, alude a esta influência em uma carta dirigida a Rômulo: “suas informações me tornaram um bolchevique paulista de 400 anos. /.../ E os planos do futuro seu Argentière? /.../ A situação de Cuba (como gostaria de ir lá) dá inveja! E a China, não irá por lá? E o resto do mundo, meu amigo, apesar de terem morto o Lumumba vai chegando ao limiar da grande era” (In Rosado & Rosado, 2002, pp.8-9).
Argentière, entretanto, tinha uma posição mais crítica do que a desse seu fraterno amigo e uma profunda consciência histórica da situação brasileira. Sem qualquer apego a fortuna pessoal e a bens materiais, Argentière sofria ao ver as péssimas condições de vida e a miséria do povo do Nordeste, mas tinha uma reflexão histórico-científica desta situação de penúria. Ele sabia, sobretudo, que as soluções técnicas e científicas existiam, pois dedicou os últimos vinte e cinco anos de sua vida a estudar o problema e a produzir uma obra científica magistral sobre o assunto, com mais de 4.000 páginas e intitulada: “O Ciclo d’Água no Nordeste Brasileiro”; mas que infelizmente, jamais foi publicada devido à total falta de interesse das autoridades governamentais deste país. Na atualidade, quando políticos mal informados, assessorados às vezes por técnicos a serviços de altos interesses econômicos, anunciam o desvio das águas do rio São Francisco como a redenção do Nordeste, seria no mínimo interessante consultar a obra de um cientista que dedicou 25 anos de sua vida ao estudo criterioso do problema da água no Nordeste. Mais que nunca é preciso e urgente resgatar a obra científica de Argentière, no mínimo como um alerta contra certas decisões políticas oriundas da falta de informações ou de uma análise pouco cuidadosa dos problemas. Se o problema for apenas a falta de informações, que se comece consultando a obra de quem estudou criteriosamente o problema. Decisões políticas equivocadas são muitas vezes tomadas como um resultado de análises mal elaboradas. Afinal, como dizia Santo Agostinho: “Não se deve creditar à má fé, aquilo que pode antes ser atribuído à ignorância”.
A reflexão histórica de Argentière lhe indicava que o problema da seca e da fome no Nordeste era, sobretudo, político e diretamente ligado à posse da terra, à estrutura fundiária, à consciência popular e a questão ética da falta de solidariedade humana: “um dos graves defeitos da economia do Nordeste é a falta de cooperativas e do espírito de cooperação entre seus habitantes. É ainda o resíduo do colonialismo lusitano que permanece como herança do nordestino” (Argentière In Rosado & Rosado, 2002, p.119). Para Argentière estava muito claro que o problema da fome e da sede no Nordeste não era apenas o problema da seca, mas também e principalmente o problema da cerca.
Fundamentado na sua leitura de Hobson (1949), Argentière afirmava que o crescimento da grande empresa tomava necessariamente o caminho da cartelização. E a sua metralhadora giratória não se dirigia apenas ao capitalismo monopolista em sua forma tradicional europeia e norte-americana, mas também ao capitalismo de Estado, travestido de regime socialista como no caso da poderosa China. Dizia Argentière: “no caso do Nordeste brasileiro, cujas minas de sheelita – as maiores do continente – foram prejudicadas pelo truste do tungstênio da China de Mao Tse Tung. Na realidade é um truste com todas as letras, em que a totalidade das ações de diferentes empresas é transferida para o conselho estatal que exerce completo controle na exportação e nos preços. O resultado dessa intervenção não se deve esperar: fecharam-se as minas de sheelita no Rio Grande do Norte, porque os produtores nordestinos, com algumas exceções, garimpeiros, não podem enfrentar os produtos chineses que vendiam o tungstênio pela metade do preço, mais o transporte do minerio até os portos chineses para portos brasileiros” (Argentière in Rosado & Rosado, 2002, pp.119-120). Argentière, deste modo, percebia que a competição capitalista internacional se dava também a partir de países ditos socialistas, mas que utilizavam práticas de mercado muito semelhantes às dos países assumidamente capitalistas. Referindo-se ao caso chinês, ele afirma que regimes socialistas deste tipo são estatizantes utilizando a sua concentração de poder político e econômico para formar verdadeiros trustes.
Ele alia a sua análise histórica e econômica da situação política a uma dimensão ética que lhe conduz a ver que no caso específico brasileiro algumas mazelas tradicionais contribuem para acentuar ainda mais o problema. Em 1995, já no final de sua vida, em pleno governo do presidente Fernando Henrique Cardoso,Argentière já comentava com sua esposa sobre a crescente gravidade do problema: “fiquei consternado e ao mesmo tempo indignado, pois nestes últimos anos de um governo corrupto, da falta de reconhecimento ao trabalho de toda uma vida... enfim, coisas que infelizmente acontecem no Brasil” (Argentière In Rosado & Rosado, 2002, p.98). O que diria ele nos dias atuais se não tivesse falecido? Parece que não há nada de mal em nosso país que não possa ainda piorar.
Argentière referia-se com indignação, sobretudo, ao governo Collor, que taxava como tendo sido uma verdadeira catástrofe (Argentière In Rosado & Rosado, p.83). A sua análise da situação política brasileira era, apesar de todas essas mazelas, otimista, pois vaticinava de forma profética: “nós apenas estamos sofrendo o impacto dessa crise: falta de trabalho, liquidação da mineração do Nordeste /.../ Esta elite mascarada que tome cuidado! O povo ainda está paciente. Mas, um dia esta paciência pode se esgotar. Então, não haverá forças militares capazes de deter esta onda” (Argentière In Rosado & Rosado, 2002, p.79).
Mas, afinal, qual foi a história deste personagem tão combativo no cenário da ciência no Brasil? Onde ele nasceu, onde estudou e o que escreveu? Como dimensionar a sua importância para o desenvolvimento da divulgação cientifica no Brasil? Retornemos, portanto, ao início da sua longa caminhada.

Fragmentos Biográficos de Rômulo Argentière
Rômulo Argentière era descendente de uma tradicional família originária da pequena cidade de Argentière, nos Alpes franceses, a mais de 1200 metros de altitude e de onde se tem uma bela visão do Monte Branco.  Mesmo na atualidade, aquela pequena cidade tem apenas 2000 habitantes e o seu nome deriva do fato de que ali havia mineração de prata – Argent – na Idade Média. O seu nome, portanto, significa “minerador de prata”, um curioso prenúncio para alguém que viria a se destacar, dentre outras coisas, como um dos maiores mineralogistas do Brasil. Chegando ao Brasil no século XIX, os Argentière fixaram-se inicialmente no interior de Minas Gerais, na divisa com São Paulo, onde ficam as cidades de Monte Sião, Poços de Caldas, Águas de Lindóia, Serra Negra e Amparo. Rômulo nasceu no lado paulista daquela região, na cidade de Amparo, em 23 de dezembro de 1916.
Argentière realizou os seus estudos primários em Amparo e por falar francês em casa desde pequeno, ele foi a criança escolhida para fazer um breve discurso de saudações para a célebre física e química francesa, de origem polonesa, Marie Sklodowska Curie quando de sua visita àquela cidade, de passagem para Poços de Caldas, em agosto de 1926[ii]Argentière fez os seus estudos secundários
em Amparo, em Campinas e na cidade de São Paulo. Aquele seu contato, quando ainda criança, com a referida cientista – ele tinha na época, apenas 10 anos de idade – deve ter influenciado decisivamente o pequeno Rômulo, fazendo com que aos dezessete anos, ao concluir o curso secundário, ele tomasse a decisão de estudar em Paris, exatamente no Instituto até então dirigido por Marie Curie.
A viagem de Argentière para estudar em Paris se deu em fins de 1932, logo após o término da Revolução Paulista. Este é um momento histórico que coincide também com a fundação na cidade de São Paulo da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras – da qual se originaria a Universidade de São Paulo – também com forte influência europeia. Assim, no início dos anos trinta, ao mesmo tempo em que nas primeiras turmas de Física da Faculdade de Filosofia de São Paulo formava-se a primeira geração dos grandes físicos brasileiros – na qual despontariam nomes como os deMario SchembergJosé de Leite Lopes e Marcelo Dammy – na França, Rômulo Argentière iniciava os seus estudos na “Ecole de Physique et Chemie” da Université Sorbonne em Paris, uma instituição que havia sido dirigida por Marie Curie. Para conseguir realizar este seu intento de estudar em Paris, o jovem Argentière foi agraciado com uma pequena bolsa de estudos do governo francês.
Marie Curie nasceu em 1867 e veio a falecer em 1934. Em 1932, no ano queArgentière chegou a Paris, ela já tinha 65 anos e sofria de leucemia, não exercendo mais as suas atividades docentes e de pesquisa. Argentière, ainda jovem, chegou, entretanto a ser aluno de Irene Curie e de Frédéric Joliot-Curie, respectivamente filha e genro de Marie Curie, ambos agraciados com o prêmio Nobel, como já haviam sido antes Marie e Pierre Curie[iii]. O jovem Rômulo recebeu uma forte influência tanto
científica quanto ideológica de Frédéric Joliot-Curieum dos grandes baluartes da esquerda francesa, ativo militante comunista e herói da resistência francesa, além de um físico de notável talento.
Argentière estudou também com Paul Langevin, um outro notável físico francês. Ex-aluno de J. J. Thomson e um dos maiores físicos franceses do século XX.Argentière permaneceu na Ecole de Physique et Chemie até 1938 quando recebeu o seu diploma de bacharel em Ciências Físicas, Químicas e Matemáticas, especializando-se no campo da radioatividade natural. Argentière cursou ainda, paralelamente, o curso de Engenharia de Minas na “Ecole National Superieur des Mines”.
Em 1938, com a proximidade da Segunda Guerra Mundial, ele voltou ao Brasil, sem haver ainda concluído o seu curso de Engenharia, só retornando à França para concluí-lo em 1948, três anos após o término do conflito.
Após o seu retorno ao Brasil (1938), Argentière lecionou Física em alguns colégios de São Paulo e logo começou a sua longa e profícua carreira como técnico, cientista e escritor de divulgação científica. Nesta mesma época, ele foi redator de ciências da União Jornalística Brasileira na qual trabalhavam Monteiro Lobato e Menotti Del Pichia. Ele foi também contemporâneo de outro notável pioneiro da divulgação científica no Brasil, o médico e professor José Reis. Nesta fase inicial, Argentièreescreveu vários artigos de divulgação para diversos jornais: “Jornal da Manhã”, “A Noite”, “O Estado de São Paulo”, “Folha da Manhã”, “Diário de São Paulo”, “O Roteiro”, “O Planalto” e “O Tempo”.
Argentière foi, também, redator técnico do Ministério da Fazenda de 1942 a 1948 e assistente técnico do Consulado Britânico na seção de “matérias primas” durante a segunda Guerra Mundial de 1942 a 1945. No mesmo dia em que o Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial – 20 de agosto de 1943 – Argentière foi nomeado pelo presidente Getúlio Vargas para o cargo de redator técnico do Ministério da Fazenda, cargo este que ele acumulou durante o conflito com o posto de assistente técnico do Consulado Britânico em São Paulo. Por força de suas obrigações, Rômulo passou então a ter a incumbência de localizar jazidas de minerais estratégicos destinados ao esforço de guerra aliado. Ele, de início, tinha a tarefa de acompanhar vigilantemente os especialistas norte-americanos em busca de minérios para a indústria bélica daquele país. Desde então, passou a viver parte do ano no Nordeste como consultor e pesquisador de empresas de mineração.
Por esta época ele já havia se graduado pela Ecole de Physique et Chemie de Paris, mas não havia ainda concluído os seus estudos de Engenharia de Minas, interrompidos com a eclosão da guerra. Fez então cursos – que o introduziram naquela nova especialidade – na Escola Politécnica e no Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo e logo em seguida na Escola de Minas de Ouro Preto e na Escola de Engenharia de Belo Horizonte, onde passou a ser discípulo do geólogoDjalma Guimarães[iv].

De 1948 a 1956, Argentière foi consultor-técnico do Estado Maior das Forças Armadas, tendo prestado relevantes serviços no tocante ao problema dos minerais radioativos. Em 1950, elaborou o projeto sobre a criação da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), apresentado na câmara federal pelo deputado nacionalistaEuzébio Rocha, tendo o referido órgão sido criado apenas em 1956.
Em 1951Argentière viajou à Polônia, em plena época da guerra fria, para participar do I Congresso Internacional para a Aplicação Prática da Energia Nuclear. De lá ele seguiu para Leningrado, na União Soviética[v], onde fez cursos de Geoquímica baseados nos trabalhos de Feraman. Em seu retorno ao
Brasil Argentière introduziu novas técnicas nos trabalhos de campo de localização de jazidas minerais em colaboração com seu mestre Djalma Guimarães.
A partir de 1956Argentière passou a fazer parte dos quadros da recentemente criada CNEN, trabalhando no serviço de campo, ou seja, na prospecção de minerais radioativos e estratégicos no Nordeste – principalmente tório e urânio – até 1960. Foi devido a este seu engajamento nestes estudos geológicos em busca da localização de minerais estratégicos, que Rômulo Argentière viria a se tornar familiarizado com a região Nordeste do Brasil e um conhecedor privilegiado da sua Geologia. Ele trabalhou também na prospecção de campo para várias firmas mineradoras em São Paulo e em outras regiões do Brasil. Entretanto, apesar de trabalhar para o governo, Argentière era um crítico ácido do programa nuclear brasileiro, em especial das usinas de Angra dos Reis.
Nordeste tornou-se, desde os anos 40, uma das paixões de Rômulo Argentière. Aos 78 anos, em 12 de dezembro de 1994, já há muito tempo morando no Nordeste, Argentière casou-se novamente; desta vez no interior do Rio Grande do Norte, em Carnaúba dos Dantas, com a professora primária Marinês Dantas, que já era sua companheira há vários anos. Foi em Carnaúba dos Dantas que Argentièremorreu, em 1995, debilitado pelo abandono governamental, pela fome, por um câncer no esôfago, por um derrame cerebral e por três acidentes automobilísticos. Apesar de toda a sua luta em prol das causas nacionais, de toda a sua abnegação na produção de uma literatura de divulgação científica de qualidade, ele veio a morrer na mais absoluta miséria no interior do Rio Grande do Norte. Já velho, ele passou fome e morreu em 1995 como um indigente, sem qualquer amparo das autoridades do país pelo qual dedicou toda a sua vida. Amparado apenas pela esposa e pelos seus amigos mais próximos – como o fiel Vingt-Un Rosado Maia, que tentou aliviar o seu sofrimento, infelizmente sem o sucesso desejado[vi] –Argentière teve um fim que foi bem descrito por outro de seus melhores amigos, o astrônomo amador cearense Rubens de Azevedo[vii].
Rubens de Azevedo além de grande amigo de Rômulo foi seu companheiro por quase 14 anos no observatório Capricórnio, fundado em São Paulo por ele e porJean Nicolini[viii].

Azevedo escreveu sobre Argentière uma frase lapidar: “meu velho Rômulo teve uma bela vida de trabalho científico: viveu plenamente e derramou conhecimentos por todo o Brasil através de seus magníficos livros. Infelizmente teve um triste fim.” (Azevedo in Rosado & Rosado, 2002, p.92). A biografia e a obra de Rômulo Argentière permanecem, de certo modo, ainda esquecidas e pelo seu valor precisam ser resgatadas, preservadas e divulgadas para as gerações mais jovens.
Este texto é uma tentativa singela de recuperar, ao menos em parte, a memória de uma parcela da vida e da obra deste importante personagem histórico brasileiro que foi Rômulo Argentière. É uma tentativa de prestar-lhe uma homenagem póstuma através de um resgate – ainda que forçosamente incompleto – de sua biografia.

A Extensão e a Importância da Obra de Divulgação Científica de Argentière       
A extensa e valiosa obra de divulgação científica de Rômulo Argentière inclui as suas muitas palestras e os seus inúmeros escritos. Em suas muitas viagens pelo Brasil jamais deixou de proferir palestras e divulgar com bastante eloquência a Ciência para o grande público. De 1938 a 1967 ele publicou mais de 300 artigos científicos ou de divulgação sobre os mais variados temas.
Aliada à sua atividade técnico-científica e ao seu empenho em campanhas nacionalistas, Argentière foi, sobretudo um profícuo divulgador da ciência em nosso país tendo incentivado gerações a enveredarem pelos mistérios e pelos encantos da Física, da Astronomia e da AstronáuticaEle publicou centenas de artigos científicos e de divulgação em periódicos nacionais e internacionais e mais de trinta livros de divulgação científica. Além disso, foi um conferencista brilhanteapresentando ao longo de sua vida mais de quinhentas palestras de divulgação sobre os mais variados temas científicos: Mineralogia, Radioatividade, Geologia, Astronomia, Astronáutica, Física e Geoquímica. Ao final de sua vida ele voltou a sua preocupação para as questões ambientais, tendo inclusive escrito um livro sobre este tema. Argentière era um poliglota, dominando sete idiomas, além do português: inglês, francês, espanhol, italiano, alemão, russo e flamengoTraduziu diversas obras de valor para o português, dentre elas: do alemão, “Aforismo para a Sabedoria da Vida” de Arthur Schopenhauer; do inglês, “A Ciência Avança” de Rogers Rusk; do russo, várias obras de Yakov Perelman, Abraham Ioffe, Fessenkov Oparin e Anatoly Kudriavtsev.
A sua ligação com a União Soviética e em especial com a causa do socialismo e com a ciência produzida naquele país, são traços marcantes de sua atividade intelectualMas, foram, sobretudo os livros de sua própria autoria que consolidaram o renome de Argentière como um dos grandes pioneiros da divulgação científica no Brasil. Sua obra é vasta incluindo uma grande variedade de títulos apontados na bibliografia do presente artigo. Em uma determinada área do conhecimento, entretanto, a vasta obra de divulgação científica de Argentière atrai a nossa atenção de um modo particular: naquela dedicada à divulgação da Astronomia.
De fato, os temas ligados à Astronomia ocupam um lugar de relevo na obra de divulgação científica de Rômulo Argentière. Ele foi um entusiasta do estudo desta ciência e um notório divulgador da mesma para a juventude numa época em que o acesso à informação científica de qualidade para o povo não era uma coisa de fácil obtenção. Pelo conjunto de sua obra ele chegou a ganhar a medalha do mérito jornalístico da Associação dos Profissionais de Imprensa de São Paulo. Argentièrefundou ou auxiliou a fundar várias associações amadoras de estudos da Astronomia no país. Ao lado de outros entusiastas como ele – como, por exemplo, Jean NicoliniRubens de Azevedo, ele ajudou a fundar o Observatório Capricórnio em Campinas.
De consciência cultural latino-americana, Argentière foi membro efetivo de Associações de Astronomia da Argentina, Uruguai, Chile, Peru e Equador. Foi sócio honorário da Associação de Astronomia de Cambuquira, da Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia, da União Brasileira de Astronomia, da qual foi membro do conselho científico e diretor da Liga Latino-Americana de Astronomia. Sempre voltado para a divulgação da ciência e não apenas para a sua produção, Argentièreconstruiu uma obra alcance popular tão ampla que demanda um certo esforço para ser apreciada em sua inteireza. Na atualidade ainda se edita no Brasil muita coisa importada sem o mesmo valor da obra pioneira de Rômulo Argentière. Isto implica em uma necessidade histórica cada vez maior de que a sua obra seja conhecida. Além disso, há a necessidade de que se publique finalmente a sua obra maior, ainda inédita, sobre o estudo do ciclo das águas no Nordeste. Esta necessidade é tanto mais atual, quanto mais se agrava o problema do abastecimento de água na Terra, problema este causado nos últimos anos pela agressão suicida do próprio ser humano aos recursos naturais do nosso planeta.
Uma apreciação, porém, ainda que em parte, da importância desta importante e pioneira obra de divulgação científica construída por Argentière, implica em fazer-se uma análise historicamente situada da mesma e que leve em conta, portanto, o fato de que a sua contribuição é necessariamente datada. Não podemos tentar julgar com o nosso conhecimento atual do século XXI a justeza de conceitos emitidos por vezes há cinquenta anos atrás. É preciso, deste modo, adotar-se uma perspectiva histórica cuidadosa para que se possa de fato aquilatar com justiça o valor real da contribuição de Argentière à difusão popular e pioneira da ciência no Brasil e à luta por causas tão belas como a da educação popular, do combate à fome e à seca e a preservação do meio ambiente. No caso particular da divulgação da Astronomiaisso poderia ser conseguido apreciando-se as mensagens contidas e o estilo leve e claro por ele adotado em obras como: “Átomos e Estrelas” (1957), “A Terra” (1957), “O Sol e os Planetas” (1959) e “Astronáutica” (1966). Uma análise detalhada destas obras demanda, porém, um esforço que transcende os horizontes do presente trabalho, mas que se coloca como um importante desafio que mereceria ser encarado em outros estudos deste ou de outros pesquisadores cujos interesses estejam ligados tanto à ciência (especialmente à Astronomia), quanto à sua divulgação e mais especificamente à importância da mesma no contexto mais amplo da educação em ciências.


NOTAS

[i] Monteiro Lobato foi um dos maiores autores brasileiros. Ele destacou-se também na campanha nacionalista em defesa da exploração dos nossos recursos naturais; a célebre campanha intitulada “O Petróleo é Nosso”. Neste contexto, Lobato notabilizou-se, inclusive, com o seu livro “O Escândalo do Petróleo”, de 1936. Ele tornou-se, porém, conhecido principalmente pelos seus livros infantis, com personagens fascinantes como Emília, Narizinho, Pedrinho e o Visconde de Sabugosa, todos eles habitantes do Sítio do Pica Pau Amarelo. Lobato, entretanto, mas, foi autor de uma obra literária bem mais vasta que a infantil, assim como de traduções de importantes obras científicas, dentre elas a do influente livro “A Evolução da Física”, de Albert Einstein e Leopold Infeld.

[ii] Marie Curie e sua filha Irene Curie vieram ao Brasil em agosto de 1926. Madame Marie havia sido convidada pelas autoridades brasileiras para visitar o país e inaugurar as instalações do então recém criado Instituto do Radium de Belo Horizonte. Ela visitou o Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais tendo recebido o título de Membro Correspondente da Academia Brasileira de Ciências, fato este que, como assinala Massarani (1998), tornou-se um marco na participação feminina no campo da ciência e da tecnologia no Brasil. A importância dada à sua visita foi tanta que as suas conferências chegaram a ser irradiadas pela Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.

[iii] Frederic Joliot-Curie e sua esposa Irene Curie ganharam o prêmio Nobel de Química de 1935 pelos seus trabalhos sobre a estrutura atômica e a descoberta da radioatividade artificial.

[iv] Djalma Guimarães era sobrinho do grande poeta e romancista brasileiro Bernardo Guimarães (1825-1884). Ele seguiu os passos do célebre geólogo francês Claude-Henri Gorceix – descendente do célebre físico e químico francês Joseph Gay-Lussac. Gorceix era também tio por afinidade de Djalma e havia sido o introdutor dos estudos geológicos no Brasil e fundador da Escola de Minas de Ouro Preto. Djalma formou-se pela referida Escola, na turma de 1919 tornando-se um dos maiores geocientistas do Brasil. Ele descobriu  uma variedade de microlita uranífera denominada mais tarde, em sua homenagem, de djalmaíta. Quando Djalma se formou pela Escola de Ouro Preto, o pequeno Rômulo Argentière, nascido em 1916, tinha então apenas três anos de idade.

[v] Rômulo Argentière guardou sempre uma grande simpatia pelo povo russo e pela ciência soviética. Ele não apenas fez várias traduções do russo, como manteve também uma ativa correspondência com seus colegas cientistas membros da Academia Soviética de Ciências.

[vi] Vingt-Un Rosado Maia conta como foram os últimos dias do grande cientista. “Eu fui buscá-lo para fazer a cirurgia em Mossoró, não deu certo. Levei para Dr. Ernani Rosado, para uma cirurgia que durou 6 horas. Eu tinha, juntamente com Frederico Rosado, pleiteado a Garibaldi uma pensão especial de 10 salários mínimos. Rômulo estava no hospital internado e Garibaldi me comunicou, já assinei o ato, dei a pensão a seu amigo. Eu pensei: Rômulo está na UTI, a vida toda ele esperou esse decreto, a Assembléia votou, José Agripino engavetou, Garibaldi assinou. Se eu for dizer agora, esse homem morre hoje de noite. Não morreu de noite, mas morreu na manhã seguinte” .

[vii] Nascido em 30 de Outubro de 1921 na cidade de Fortaleza, o astrônomo cearense Rubens de Azevedo é autor entre outros dos seguintes livros: Selene*, a lua ao alcance de todos; Lua degrau para o infinito; No mundo da Estelândia; Na era da Astronáutica; Lenda feita de pedra; O cometa de Halley e a Bandeira Nacional. Foi pioneiro ao criar, em 1947, a primeira Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA), e, em 1948 fundar o primeiro observatório popular Brasileiro, o Observatório Popular Flammarion e também, a Sociedade Brasileira de Selenografia, em São Paulo. No mesmo ano, desenhou o Primeiro Mapa Lunar Brasileiro, com 80 cm, que se encontra exposto no Museu Nacional de Astronomia. Durante um eclipse lunar, descobriu um vale lunar, cuja existência foi confirmada por observatórios chilenos, os quais à época, sugeriram à União Astronômica Nacional a atribuição do nome "Vale Azevedo". Descobriu também um fenômeno Lunar Transitório na Cratera Aristarco, confirmado pelo astronauta Edwin Aldrin quando em órbita lunar. Foi professor de Selenografia na Escola Municipal de Astrofísica em São Paulo, professor assistente de Astronomia e Astronáutica da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba e professor de Geografia Astronômica na Universidade Estadual do Ceará. Fundou o Observatório Astronômico da Paraíba e participou durante seis anos como membro ativo do Lunar International Observers Network, criado pela Nasa para assessorar as missões Apolo. É responsável pela instalação de associações e clubes de Astronomia e de observatórios e planetários no Brasil. É pioneiro na luta pela implantação de um planetário no Ceará.

[viii] Jean Nicolini, nasceu na cidade de São Paulo/ SP no dia 9 de abril de 1922 e faleceu no Município de Americana no dia 23 de julho de 1991, morte esta, ocasionada por um acidente automobilístico na Rodovia Luiz de Queiroz, quando se dirigia ao Observatório Municipal de Americana – OMA, para desempenhar suas funções de astrônomo. Seus pais eram franceses, razão pela qual cultivava grande admiração por aquele país e fluência no idioma francês. Jean era um homem que perseguia seu ideal e o conquistava a todo custo. Autodidata, foi apaixonado pelas ciências humanas e exatas, mas seu grande interesse e paixão era norteado para a Astronomia, que exercia nele o maior dos fascínios. Jean fundou no dia 15 de outubro de 1948, na cidade de São Paulo, o Observatório do Capricórnio - Entidade Civil Sem Fins Lucrativos”, realizando assim seu grande sonho. Entre os colaboradores da fase inicial do Observatório destacavam-se: Rubens de Azevedo, Rômulo Argentière, Paulo Gonçalves, Francisco Jehovah, Frederico Funari e Norberto Parada. Em 1976, muda-se para a cidade de Campinas/ SP com sua família, quando recebe convite do então Prefeito Lauro Péricles Gonçalves, por ocasião da criação do Observatório de Campinas, para que o Observatório do Capricórnio assine convênio de atuação técnico científico, operacionalizando as atividades, numa atuação conjunta. Assim em 15 de janeiro de 1977 inaugurava-se a Estação Astronômica de Campinas. O primeiro Observatório Municipal do País estava implantado e o sonho de Jean Nicolini realizado.

FONTE: Alexandre Medeiros (PhD, University of Leeds – Professor de Física e 
Astronomia, UFRPE) LINK: ALEXANDRE MEDEIROS